(61) 4141-4060
(61) 99171-7679 | (61) 99243-9757
C. Clínico Advance 1 | SGAS 915 lt 69/70,
salas 310/311 | Asa Sul, Brasília/DF, 70390-150

Gordura abdominal pode aumentar risco de morte prematura, diz estudo

Dr. Gustavo Francklin

A validade do índice de massa corporal como um indicador apropriado de obesidade tem sido questionada.

Pesquisas sugerem que o índice de massa corporal não diferencia entre massa corporal magra e massa gorda; portanto, ao usar o índice de massa corporal como medida, pode ocorrer uma avaliação imprecisa da adiposidade.

Além disso, a limitação mais importante do índice de massa corporal é que ele não reflete a distribuição regional da gordura corporal.

As evidências existentes sugerem que a obesidade central e a deposição abdominal de gordura estão mais fortemente associadas a fatores de risco cardiometabólico e risco de doença crônica do que a obesidade geral

Conclusões

Os índices de gordura central, incluindo circunferência da cintura, relação cintura-quadril, relação cintura-altura, relação cintura-coxa, índice de adiposidade corporal e índice de forma corporal A, independente da adiposidade geral, foram positiva e significativamente associados com um maior risco de mortalidade por todas as causas.

Circunferência de quadril e circunferência de coxa maiores foram associadas a um risco menor.

Os resultados sugerem que as medidas de adiposidade central podem ser usadas com o índice de massa corporal como uma abordagem complementar para determinar o risco de morte prematura.

Por isso eu sempre defendo o uso da dexa há anos para a correta avaliação da composição corporal.